Xinobi, alter ego artístico de Bruno Cardoso, é músico e produtor. Com Moullinex, ajudou a nascer a editora Discotexas, uma das mais importantes produtoras nacionais, que ajudou a elevar internacionalmente a música de dança nacional. As suas raízes são outras, cresceu no meio do punk/hardcore e isso teve muito impacto na sua vida. O primeiro convidado da nossa rubrica Colecção Pessoal, traz um disco de hardcore nacional que teve muita importância para a sua vida.

Não foi também este o disco que me fez querer ser músico, mas foi um daqueles que me fez perder o medo de tentar.

Xinobi

Inkisição / X-acto split CD

“Este CD a meias entre os Inkisição e os X-Acto não é o meu disco favorito. Podia ter escolhido outros mil em vez deste. Mas se houve disco que me alertou para a vida, foi este. Não estava habituado a ouvir coisas tão mal produzidas, nem capas tão mal paridas. Mas não conhecia disco nenhum que abrisse a matar com um “Porcos Fascistas” e que depois continuasse a transpirar assuntos que na escola são evitados ou tratados com paninhos quentes, muito pragmaticamente. Os X-Acto é que me ensinaram que eu sou um criminoso se comer carne. Os Inkisição abrilhantaram com questões sociais toda a bondade que os meus pais me haviam transmitido. Não foi também este o disco que me fez querer ser músico, mas foi um daqueles que me fez perder o medo de tentar.
Foi um complemento educacional exemplar e se olho para ele 24 anos depois de o comprar na Torpedo, na estação do Rossio, por 2 contos – não pagues mais de 2000$, diz na contra capa -, constato a dimensão de ingenuidade que ali existe. Também sei que este disco, com toda a falta de meios e conhecimentos com que foi concebido, arrebitou a cabeça a muita canalha, fazendo tantos putos olhar para o mundo de uma forma diferente. Não era só música para ter uma crista ou para andar ao pontapé. Tinha substância, era sério e, mesmo assim, fácil de compreender. 
Impingi este disco a vários amigos. A maioria não quis saber. Soa mal. Está mal tocado e, no geral tem mesmo muito mau aspecto. Mas a todos os putos a quem isto bateu, bateu a sério”.

Nota do Brandos Costumes: Pedro Mateus, fundador dos X-Acto, foi convidado do Brandos Costumes. É uma boa oportunidade para saber mais sobre este disco, para perceber a dimensão das drogas nos anos 90, e muitas histórias divertidas.